.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

quarta-feira, junho 29, 2005

Por um cinema didático – parte II

É impressionante como os dias passam e um filme simples como UM FILME FALADO não consegue nos sair da cabeça. É impressionante como é comovente o legado de Manoel de Oliveira, aos noventa e tantos anos, nos dizendo que é possível fazer uma obra absolutamente desconcertante e contemporânea com os recursos mais simples do cinema – o campo-contracampo, a câmera parada, a película 35mm.

Um Filme Falado é um filme sobre a História, sobre a civilização e sobre a civilidade. É também, evidentemente, um filme didático, já que uma professora de História e mãe conta para a filha-aluna o que é o mundo, o que são as coisas. É um filme sobre o conhecimento, ou ainda, sobre o desconhecimento do conhecimento, ou ainda, sobre como o conhecimento nos faz revelar milhares de desconhecimentos.

Daí que se torna um filme sobre a linguagem, sobre a oralidade, mas ainda mais, sobre a possibilidade de comunicação. Comunicação vista como contato entre diferentes culturas, ou ainda, como um contato com o outro.

Daí que se revela um filme sobre a tolerância, sobre a inevitabilidade da História, da civilização e da civilidade, da linguagem, da tolerância, do didatismo.

Um cinema didático. Um cinema que se mostra como menor para se revelar como grande. Um cinema que não precisa de cacoetes de estilo para sobreviver. Um estilo que nega o estilo, mas que também é ao mesmo tempo uma reação contra a invisibilidade do escudo defensivo do cinema clássico. A humildade de Manoel de Oliveira: só é possível dizer pouco, mas o quanto menos dizemos mais há para ser dito, ou ainda, o quanto há para ser dito ainda que digamos muito pouco!

Mas há que se fazer um epílogo não tão deslumbrado, é preciso ponderar. O desconcertante final de Um Filme Falado mostra o fim dos tempos, mostra a impossibilidade de Portugal existir como nação. Encurralado, ameaçado de extinção, o cinema de Manoel de Oliveira se rende à falta de pressa de abandonar a lendária embarcação (é extraordinária a seqüência em que se mostra a menina e a mãe caminhando cômodo por cômodo da embarcação para buscar a boneca), se rende à necessidade de voltar para resgatar uma boneca muçulmana, se rende à negação do “salve-se-quem-puder”. Rende-se ainda aos rumos dos “novos tempos”, com grande sabedoria.

Um Filme Falado é um filme sobre a vida, sobre a História, sobre a civilização, sobre a linguagem, sobre o cinema. Num plano de um cachorro amarrado a um navio, num plano de uma grande placa de metal, Manoel de Oliveira consegue fazer uma humilde e profunda declaração de amor ao seu ofício, um voto de fé em relação à sua linguagem em particular. Nesses breves momentos é que acreditamos que o cinema pode ser uma obra de arte, e que um diretor de cinema pode ser chamado de um artista.

4 Comments:

Anonymous Marcos A. Felipe said...

Porra! Eu ainda não vi o filme, mas você, a cada post, vem demonstrando sua paixão em relação a Manoel de Oliveira, a Um Filme Falado, ao cinema. Eu quero ver esse filme, mas não me faça ir ao RJ ou a Sampa - vai sair muito caro pra mim! (P.S> tem alguma relação do título entre as duas Eras da História do Cinema: O Mudo e o Falado? Ou vincula-se mesmo apenas ao relato, oralidade, ao contar a História, da mãe para a filha? Ou ao próprio cinema de Manoel de Oliveira, fundando, em muitos de seus filmes, na imagem e na palavra? Ou não é nada disso?).

4:04 PM, junho 29, 2005  
Anonymous Rodrigo said...

Achei tão bom ler esse post, mesmo sem ter visto o filme do Manoel.. =/.
Olha, vejo tantas pessoas "lutarem" por um cinema novo que quebre todos os "dogmas" do cinema clássico... e daí inventam um monte de maneiras novas de filmar.. (e isso tudo é válido, é criatividade, é desenvolvimento)...
porém, acho que não tem nada a ver depreciar o cinema clássico.
Eu sou liberal, mas em relação à cinema, tenho uma quedinha pelo clássico. Pelo plano, contraplano... pela câmera parada... pelo 35 mm....

Abs..

10:37 PM, junho 29, 2005  
Anonymous Moacy said...

Muito bom, Marcelo, o seu novo texto sobre 'Um filme falado', sem dúvida uma obra-prima. Desde que o vi, ele também não me sai do pensamento. Como é que um cara com mais de 90 anos consegue fazer um filme como esse? Em tempo: Estarei amanhã, sim, no Ateliê da Imagem. Vou colocar a programação, ou parte dela, no Balaio. Um abraço.

3:29 PM, junho 30, 2005  
Blogger Cinecasulófilo said...

vALEU GENTE!
E pensar que esse filme QUASE nem chega a entrar em cartaz. Só entrou em cartaz por causa da inaugração do Unibanco Arteplex. E os outros filmes recentes do Manoel de Oliveira que não chegaram a estrear por aqui?????????

11:18 AM, julho 01, 2005  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home