.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

domingo, janeiro 13, 2008

novos trabalhos dos Irmãos Pretti

Para mim o bom filme é aquele que me alimenta a criar. Aquele em que a gente sai da sala de exibição doido para faqzer alguma coisa. Por isso, cada filme dos Irmãos Pretti para mim é como uma dádiva, em que a minha proximidade com esses trabalhos me faz despertar coisas adormecidas dentro de mim.

Em Azul, Luiz Pretti divide pela primeira vez a direção com alguém que não seja seu irmão gêmeo. No caso, Themis Memória, também atriz do curta. A roupa é um espelho do corpo, e o corpo, um espelho da alma. Então em que medida vestir-se (ou despir-se) é viver, morrer, ressuscitar, mudar e continuar o mesmo? E quando amamos, como “vestimos” o contato do outro, de modo que se torne mais de nós mesmos? A pele do outro e a nossa roupa. Nossa pele e a roupa do outro. Despir-se de nossa roupa e vestir a pele do outro. E assim sucessivamente. Ao mesmo tempo, vestir e despir são movimentos. Movimentos do corpo e movimentos da alma, dependendo de como se vê. A pele e o corpo. A pele e a roupa. Eu e o outro. A vida e o cinema. Dois e um. Dois em um.


Depois, há um trabalho mais ambicioso, o novo longa dos Irmãos Pretti: “o desejo é mais forte que a morte”. De novo, um trabalho extremamente rigoroso, de tempos alongados, com um certo diálogo com tudo o que os gêmeos vêm fazendo, em especial o seu média Sonata das Sombras. Além de um diálogo claro com o cinema de Pedro Costa (em especial a luz de Juventude em Marcha), outras referências são claras, desde Apichatpong, até João Cesar Monteiro, Fassbinder, Gus van Sant, o cinema expressionista (e suas variantes como O Homem que Ri e He who gets slapped), e até na minha delirante cabeça Shinji Aoyama, Jacques Nolot e Naomi Kawase. Um trabalho grande, de grande força interior, que ainda estou em fase de absorver, um filme sobre como é doloroso e necessário enfrentar a morte, e ir além dela para encontrar a nós mesmos. Mas o que me interessa em particular nem é o clima de fábula romântica nem a possibilidade de mergulho nessa floresta, mas sim o cinema da primeira parte do filme: esse grande vazio interior, com planos extremamente longos, um rigor absurdo e um enorme sentimento de como é difícil viver diante da falta de sentido da vida e de nossa impotência para lidar com isso com humor e leveza.

.

Marcadores: , , ,

7 Comments:

Anonymous Anônimo said...

obrigado pelas palavras.

luiz

12:47 PM, janeiro 14, 2008  
Blogger cacilda said...

Este comentário foi removido pelo autor.

1:50 AM, fevereiro 25, 2008  
Blogger cacilda said...

como faz pra assistí-los?

1:53 AM, fevereiro 25, 2008  
Blogger Cinecasulófilo said...

cacilda, deixe um email que eu entro em contato com vc... abraço,

11:25 AM, fevereiro 25, 2008  
Blogger ubiratan said...

gostaria de ter acesso ao curta "cartaz" dos irmãos pretti para discutir identidade no curso de sociologia, como faço?

4:25 PM, novembro 25, 2009  
Blogger Cinecasulófilo said...

mande um email para os realizadores irmaospretti@hotmail.com

10:15 AM, novembro 26, 2009  
Blogger ubiratan said...

escrevi e muito cordiais se dispusseram uma cópia. Muito obrigado pela mediação!

10:47 PM, novembro 26, 2009  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home