.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

terça-feira, setembro 02, 2008

A árvore e a girafa

O Raphael Fonseca escreveu um texto importante sobre “o discurso curatorial da Mostra do Filme Livre” (veja aqui). Digo importante porque ele foi talvez o único que tenha se debruçado sobre o que a mostra se propõe a fazer a partir dos textos escritos no catálogo sobre o que seria um filme livre. O texto é muito bem escrito e instigante, e Raphael foi muito generoso, em especial com os meus textos que, sem dúvida, modéstia à parte, marcam a base conceitual em torno do qual a mostra se estruturou e que torço para que consiga se manter após o meu afastamento. O Raphael tem uma posição privilegiada para escrever o texto, com uma proximidade dos curadores e da produção da mostra, e ao mesmo tempo um certo distanciamento do processo em si da curadoria. Essa sua posição relativa ele aproveitou muito bem. E me fez ver que os textos que escrevi na Mostra (em especial os de 2004, 2005 e 2006) formam um esboço bastante consistente para as propostas da Mostra. No entanto, o texto que ainda mais gosto é o de 2007, pois, no que sabia ser o meu último ano de Mostra, ao invés de escrever um texto raivoso ou indignado, resolvi fazer um texto de enorme sensibilidade pessoal, uma semente de esperança em relação ao que a Mostra procurou plantar nesses anos. Como último legado, ao invés de um texto “teórico”, resolvi fazer um texto “prático”, uma metalinguagem: um texto que procura ser livre sobre uma mostra que procura ser livre.


Os principais conceitos são:
- filme livre como possibilidade da diferença, como possibilidade de fazer um filme que não seja televisão, hollywood, publicidade ou videoclipe;
- filme livre como uma “idéia em construção”, que não se pode definir, pois ao definir, estamos rotulando, e portanto tirando a liberdade de ser do filme;
- filme livre como uma utopia, como um desejo de liberdade plena que é naturalmente impossível;
- filme livre como uma busca, cujo processo é mais importante que o resultado final;
- filme livre como um sonho, como possibilidade de chegar até “você” e assim não querer mais morrer


Textos:

Mostra do Filme Livre 2004

Mostra do Filme Livre 2005

Mostra do Filme Livre 2006

Mostra do Filme Livre 2007

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home