.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

terça-feira, fevereiro 17, 2009

Barwy ochronne

Mimetismo
de Krzysztof Zanussi
CCBB 17 qui 19:30
**

Como sempre vou escrever meia dúzia de linhas tortas e rápidas sobre esse raríssimo filme do Zanussi, exibido na Mostra de Cinema Polonês no CCBB (aliás, bela iniciativa...). A tradução foi “Mimetismo”, mas eu prefiro “Camuflagem”, que é como o filme é conhecido internacionalmente. O filme, dos anos setenta, é um murro de mão fechada no regime comunista polonês. Mas com aquele humor sarcástico tipicamente polonês. Eu só havia visto um único filme do Zanussi, que já comentei aqui duas vezes por ter o melhor título da história do cinema “a vida é uma doença sexualmente transmissível”. Este “Camuflagem” se passa numa espécie de “colônia de férias” em que um grupo de estudantes de diferentes universidades se encontram para participar de um Congresso, em que será escolhido o melhor trabalho apresentado. O filme gira em torno de um jovem professor (idealista) e um velho professor, que é seu chefe (cínico), que esperam a chegada do vice-reitor (politiqueiro) para distribuir os prêmios. O filme então é sobre política e poder, mas no fundo é sobre “a perda da inocência” ou sobre as “ilusões perdidas”. O jovem professor descobre um mundo (um ritual de aprendizagem, quase como nos romances alemães do século XVI) através do outro professor, cínico e desiludido com o sistema educacional polonês. Mas ficamos com uma sensação de que na verdade o problema não é a Polônia, ou não é exatamente o comunismo, e sim no fundo o problema são as pessoas, o poder, a ilusão, a hipocrisia e tudo o que gira em torno disso. Zanussi apresenta esse microcosmo através de um filme extremamente falado, falado, falado, mas ao mesmo tempo com uma certa vontade de cinema, e algumas liberdades formais. Por exemplo, os primeiros cinco minutos do filme já são um mergulho no acampamento, sem fazer a menor questão de apresentar os personagens. Da mesma forma, a câmera é observadora, discreta, ligeiramente documental, com câmeras na mão que dão ao filme um aspecto mais relaxado. O final tem um certo exagero que me incomoda (a quase morte) mas a ironia mordaz, os diálogos ágeis, a visão ácida sobre a vida e sobre as pessoas, esse cinismo quase niilista parecem ser uma constante do cinema de Zanussi. Seu “cinema da inquietação moral” não tem as repercussões metafísicas ou existenciais do seu “xará” Kieslowski. O que parece ficar da vida e das pessoas é essa acidez e essa consciência do fim das ilusões e da necessidade da hipocrisia para continuarmos sobrevivendo em grupo.

5 Comments:

Blogger Taiyo Omura said...

muito legal o blog, o Fernando tinha me falado e tenho lido seus escritos.

vou sempre dar uma passada aqui

abraço

8:30 AM, fevereiro 19, 2009  
Blogger Eduardo Valente said...

o final não me pareceu um exagero, justamente por ser onde o personagem do cínico finalmente revela sua dor: o desejo de morrer, de forçar aquela situação até ver se alguém o mata. ali, eu acho, o personagem deixa de ser unidimensional e utilitário pra narrativa e de repente se torna trágico. mas o grande filme da mostra até agora, pra mim, foi O Interrogatório, visto hoje. amanhã fecho com 2 outros.

2:26 AM, fevereiro 27, 2009  
Blogger Cinecasulófilo said...

Valente,
Na verdade acho que a tragicidade desse personagem do “cínico” sempre esteve presente no filme, desde o início. Eu o vejo como de uma certa forma se identificando com o jovem professor: são personagens-espelho. Mas talvez seja melhor ser sarcástico do que levar o mundo a sério e sofrer com isso, mas, claro, acaba-se sofrendo da mesma forma (mas de uma forma outra). E, claro, o "cínico" é um alter ego do próprio Zanussi. Por isso, no fundo, não seria exagero dizermos que no fundo o Zanussi é um romântico... infelizmente não consegui ver nenhum outro polonês... as sessões em vídeo me desanimaram... abs

11:53 AM, fevereiro 27, 2009  
Blogger Eduardo Valente said...

é claro que vídeo é vídeo, mas honestamente eu prefiro ainda ver o vídeo projetado (desde que o vídeo em si, o projetor e a sala tenham qualidades mínimas, o que têm neste caso) do que ver filmes sozinho em casa, em telas bem menores. fora que, como eu sempre digo, mesmo se eu baixasse filmes (o que eu não fáco por várias razões, nenhuma delas moralista) e tivesse dito "ah, é em vídeo, vou deixar pra um dia baixar e ver estes filmes" seria o mesmo que dizer "nunca mais vou ver estes filmes". e, no caso de filmes raros, acabo preferindo então vê-los. aliás e a propósito, semana que vem tem mostra de cinema africano lá no CCBB - não sei se vídeo ou película.

1:21 PM, fevereiro 27, 2009  
Blogger Eduardo Valente said...

aliás e a propósito, parte 2: um amigo polonês (é sério!) me disse que o filme mais forte da mostra era esse que passa hoje (sexta) 17h30, Hotel Pacífico.

1:36 PM, fevereiro 27, 2009  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home