.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

segunda-feira, março 09, 2009

Entotsu no mieru basho

De onde se avistam as chaminés
De Heinosuke Gosho
MAM dom 08 16hs
**


A primeira coisa que nos surpreende em De onde se avistam as chaminés é o seu olhar para o Japão do pós-guerra do ponto de vista das classes menos favorecidas, focando na relação humana entre os habitantes de uma espécie de conjunto habitacional nas periferias de Tóquio, quase como um cortiço. Não é que seus moradores estejam desempregados, mas que seus empregos praticamente não são capazes de lhes fornecer uma vida economicamente digna. Dessa forma, poderíamos pensar no filme nas matizes do neo-realismo italiano (esp zavattianiano), e seu principal ponto em comum é de fato o olhar humanista para pessoas comuns, que o cinema (mesmo japonês) em geral não aborda. No entanto, o filme de Gosho, estrelado por atores profissionais consagrados, tem grande parte de ação em interiores tipicamente elaborados em estúdio. Os exteriores, apesar de mostrar os arredores dessa vila de cortiço, à beira de uma estrada de terra que leva até o centro da cidade, não assumem no filme a alma zavattiniana de expressão de uma realidade humana que se funde com o espaço físico. Mesmo em Ladrões de Bicicletas – menos radical nesse sentido que um Paisà –, é possível dizer que o protagonista é em última instância a cidade de Roma, que parece insensível à odisséia do personagem e interage de forma decisiva num sentido outro de dramaturgia. No filme de Gosho, as externas, embora quando apareçam nos surpreendam por sua expressividade, não interagem de forma orgânica com o drama dos personagens, quase enclausurados dentro de suas pequenas residências. É ali que se passa grande parte do drama do casal principal, que passa a cuidar de um bebê recém-nascido, que é abandonado pelo ex-marido dessa mulher, ainda que ela afirme que o bebê não é seu filho, mas sofre a desconfiança do marido. O choro compulsivo do bebê altera a rotina dos demais moradores do cortiço. O filme, então, desenvolverá sua narrativa em torno de três casais: o casal protagonista, que recebe o bebê, um “casal em formação”, com um homem e uma mulher solteiros que moram no andar de cima, e o casal que abandona o bebê, numa situação econômica e emocional ainda mais precária que os moradores do cortiço. O bebê, sorridente, alheio às dificuldades, é uma semente passiva de uma nova geração, ou ainda, de um novo Japão do pós-guerra, e as chaminés que intitulam o filme não deixam de representar a esperança da reconstrução da nação nipônica. Dependendo do local da cidade de onde se olha para as chaminés, é possível avistar uma, duas, três ou até quatro. A geografia física da cidade é vista de uma forma parcial, e sua apreensão limitada oferece um paralelo com uma idéia de ponto de vista: dependendo de como se olha, a situação é uma ou outra, e ao longo de todo o filme, especialmente nas perambulações do homem solteiro em busca do homem que abandonou o bebê, acompanhamos sua indagação em torno do “verdadeiro” número de chaminés, que oscila de situação a situação da narrativa. Dessa forma, o bebê contribui para aproximar todos esses personagens, reforçando os seus laços, apostando na união para superar as dificuldades, harmonizando as diferenças ao invés de julgar ou acusar cada pequeno ato. Nesse singelo conto humanista de Gosho, o desenvolvimento narrativo algumas vezes é por demais convencional, mas se Gosho decerto não é mestre como Ozu ou Kurosawa, ao mesmo tempo dá sua contribuição em olhar para um Japão ausente da obra dos principais mestres do período, debruçados em reconstruções históricas ou na classe média japonesa.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home