.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

segunda-feira, julho 27, 2009

Il y a longtemps que je t'aime

Há Tanto Tempo que Te Amo
De Philippe Claudel
0 ½

Co-produção franco-alemã exibida na competitiva do Festival de Berlim no ano de Tropa de elite, dá uma ideia porque o filme brasileiro foi vencedor. O argumento a princípio me soa interessante: um drama familiar intimista sobre duas irmãs que se reencontram após 15 anos quando uma delas sai da cadeia, condenada por ter assassinado seu próprio filho. Drama, família, morte: temas que me interessam. A questão é que Philippe Claudel resolve tudo (roteiro e mise en scene) de uma forma um tanto óbvia, fechando todos os vértices da equação, explicando ao final porque a mãe matou o filho e tentando o tempo todo no filme “justificar” seu desfecho final, “humanizar” essa mãe no mau sentido (isto é, colocá-la como injustiçada, sofredora solitária, vítima do destino, incompreendida). Visualmente o diretor resolve sempre tudo no diálogo e joga pros atores, com a única exceção de uma cena de jantar aos 33 minutos de filme, resolvida com um plano-sequência criativo, com uma movimentação ágil de câmera e dos diversos personagens em cena. Kristin Scott Thomas, a liberta, encarna sua personagem com um estilo sóbrio que dá ao filme um inesperado sopro de vitalidade. Mas no fim (especialmente no final, um final bastante burocrático) Claudel faz um rame-rame correto, sem riscos, o que evidentemente se distancia de tudo o que o bom cinema busca, especialmente o cinema intimista de situações extremas, como a que o filme tenta se aproximar, mas torna tudo falso, artificial, sem vida.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home