.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

terça-feira, novembro 24, 2009

Padrões de beleza

Sabemos que o padrão de beleza em voga hoje no mundo é basicamente um padrão europeu. A mulher bonita é aquela alta, magra, branca, com traços finos e proporcionais. A afirmação de um padrão é um processo histórico, mas que possui implicações culturais, econômicas e ideológicas. É claro que esse padrão é estimulado por uma indústria de cosméticos, que torna a beleza uma mercadoria, vendendo um conjunto de produtos de beleza e mesmo padrões de comportamento, como serviços de academia e cirurgias plásticas, entre muitos outros exemplos.


Esse padrão de beleza é um padrão discreto, equilibrado. O exotismo pode se enquadrar como forma de “mudar para permanecer o mesmo”, já que ele é aceito até o ponto em que não abala as estruturas desse mesmo padrão: um nariz torto, uma boca com lábios volumosos, chamam a atenção para a “diferença na identidade”. São na verdade exceções que confirmam a regra.


Os concursos de beleza, as capas das revistas publicitárias e as modelos de passarela reproduzem esse estratagema, pois dão legitimidade aos padrões de beleza em voga.


Por outro lado, temos a consciência do quanto esse padrão de beleza é fútil, pois o que importa de verdade é a “beleza interior”, uma beleza verdadeira, e não um rótulo ou um estereótipo de beleza imposto cada vez mais por um mercado que trata a beleza como um produto de publicidade barato. Esse modelo de beleza é em geral superficial, vazio, mesquinho, jogando para escanteio o que é verdadeiramente belo.


Fico pensando até que ponto o cinema não repete esse paradigma. Os filmes que se destacam são aqueles que reproduzem determinados padrões de beleza ditados pelos padrões europeus, ditados pelos modismos, pelo “mercado publicitário dos autores”, em que essa beleza é na maior parte das vezes meramente superficial. Aquele filme que foge de certos padrões de beleza é empurrado para uma marginalidade. Os festivais de cinema e os críticos dão legitimidade aos padrões de beleza cinematográficos já estabelecidos, ditando modismos, elogiando o exotismo que convém, descobrindo e esquecendo autores da noite para o dia, numa bolsa de valores dos novos gênios da arte cinematográfica. A beleza é transitória, e a busca é superficial, por uma beleza que aparece gritantemente, que aponta para a sua própria beleza. Uma beleza gratuita, fútil, auto-referencial, que aponta exclusivamente para si mesma. Os autores são virtuoses do plano ou da fotografia, malabaristas da linguagem cinematográfica.


Não pretendo aqui discutir o que é o belo: não é este meu propósito e seria muito ambicioso tentar fazê-lo. Só quero apontar para o fato de que desconfio profundamente de filmes aparentemente belos, assim como desconfio de mulheres aparentemente belas. Não é um preconceito, ou que de antemão elas (ou eles) sejam ordinários, mesquinhos, mas o fato é que estes é que têm maior chance de que suas virtudes sejam descobertas, enquanto há outros “patinhos feios” que não revelam de cara sua beleza incomum.


O desafio do crítico (ou daquele que se diz crítico) é problematizar sempre esse padrão de beleza já consolidado, e apontar para outras formas de se ver o mundo. Esse me parece ser um engajamento político possível da crítica cinematográfica, um engajamento verdadeiramente desinteresseiro.


3 Comments:

Anonymous Anônimo said...

eh assim mesmo o mundo eh muito feio e ao inves da gnt encarar a feiura a gnt makia com lancome!!!! tem tb a estee lauder...eu to louca pra ver o anticristo do lars mas dizem que eh feio demais e tem uma historia de aborto ou morte de filho fikei bolada achei melhor esperar um pouco mas se vc visse e escrevesse eu ia adorar rararararararara beijaoooooooo

3:17 PM, novembro 30, 2009  
Anonymous Roberto Acioli said...

Nem só de corpos-produto viveu o cinema europeu. Alguns cineastas mostraram que o europeu também pode ter "cara de gente".

Bons tempos dos filmes neo-realistas italianos [ou pelo menos alguns deles], e dos filmes de Pasolini. Salvo por algumas estrelas eventuais, aquelas pessoas que apareciam na tela[atores não-profissionais], e que eram também escolhidos justamente por seu rosto e corpo, tinham cara de gente: espinhas, cabelos maltratados, dentes trepados, cicatrizes, corpos nem um pouco atléticos - pelo que sei, isso tudo não era maquiagem.

Não é que o "mundo real" seja feio, é que ele é... apenas ele mesmo. O cinema e a televisão estão, talvez, preocupados demais com o mercado para mostrar o real "como ele é". Isso não dá Ibope!

grande abraço

5:27 PM, dezembro 02, 2009  
Blogger Usuale said...

Oi! Achei um site muito bacana que possui mais de 50.000 acessos ao dia e fazem parceria com blogs/sites, vale a pena! Eu já fiz o meu!

Aí vai o link: http://www.guiademulher.com.br/enviar_blog.php

Feliz Natal!

11:43 PM, dezembro 08, 2009  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home