.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

quinta-feira, janeiro 21, 2010

Les herbes folles

Ao acabar de ver ERVAS DANINHAS, minha primeira reação foi a de ficar ruborizado ao me lembrar de um comentário que fiz aqui recentemente que Woody Allen (ao contrário de Bergman) é um cara que está pensando “para frente”, e não “para trás”. Putz, o que dizer então desse óvni chamado Ervas Daninhas? Sem dúvida, se essa minha comparação é válida, ela deve ser feita com esse filme. O que é esse filme? Não se sabe. Ou melhor, não sei. Um misto de incômodo, desconforto, surpresa e prazer me invadiu durante toda a sua projeção. Há um filme chamado “Objeto misterioso ao meio-dia”: esse poderia ser o título do filme do Resnais. A propósito, creio que Apichatpong colocaria Ervas Daninhas como o melhor filme da década!!!!

Ao mesmo tempo, Ervas Daninhas é coerente com a filmografia de Resnais, uma filmografia calcada na imaginação, nos meandros narrativos, no efeito da memória sobre o tempo, nas entrelinhas do relacionamento humano, nos abismos entre a palavra, a imagem e o desejo. Mas, como bem disse Inácio Araújo, ele agora “não precisa provar mais nada a ninguém”. Ou ainda, não precisa mais participar do cabo de guerra entre "cinema clássico" e "cinema moderno". Como alguém pode fazer um filme desses aos noventa anos, cinqüenta anos depois de fazer uma enorme obra-prima do cinema chamado Hiroshima Mon Amour ou mesmo Marienbad? É porque Resnais não estacionou, não se acomodou, não ficou recontando as historietas do passado. Para entender o que é esse filme, é preciso rever Medos Privados em Lugares Públicos (o que preciso fazer!), é preciso que se passem vinte anos.

Nem é que tenha achado um filme espetacular ou algo do tipo: essas categorias parecem que não fazem mais sentido quando vemos um filme como esse, francamente irregular, que aponta para tantas coisas que não conseguimos nos dar conta. Um domínio narrativo, um domínio plástico, uma ironia cáustica, um afeto recôndito mas indiscutível, um desejo de liberdade, um decisivo enfrentamento contra a morte, uma lufada de ar fresco, uma insanidade saudável. Filme de férias, comédia mais leve? Nada disso. Ervas Daninhas é um filme misterioso, um filme do nosso século: um filme sem utopias, um filme maldito, leve e duro, lúdico, melancólico e cool, esperançoso, auto-referencial. Um mistério.

2 Comments:

Blogger Moacy Cirne said...

Uma análise primorosa, meu caro. A melhor que já li, até o momento, sobre o filme de Resnais. Será publicada amanhã, no Balaio.

Abração.

"Satantango" (já vi as 4 primeiras horas) é obra-prima.

4:12 PM, janeiro 21, 2010  
Blogger juliano said...

eu fui atropelado pelo filme também. Fiquei maravilhado.
Revisão urgente mesmo. É de uma liberdade e uma precisão impressionantes.
Ainda não vi nenhum texto que encarasse o filme de frente, mais detidamente. Assusta, né?
abraço

12:42 PM, janeiro 25, 2010  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home