.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

terça-feira, maio 25, 2010

Alice

Alice no País das Maravilhas
de Tim Burton
**

Já vi Alice há um bom tempo, ainda no Rio mas queria aqui mesmo rapidamente dividir algumas impressões. A primeira é um certo desencanto na forma como Burton utiliza o 3D. Acho que o uso do 3D ainda é muito ingênuo pelos cineastas, mais preocupados em efeitos tipo montanha-russa, objetos atirados na direção das nossas retinas, do que propriamente pensar uma idéia da um cinema sensorial, ou uma dramaturgia que dialogue com uma outra percepção do espaço, ou uma decupagem que dialogue com essa alteração da percepção, coisas desse tipo. Sinto também que o avanço do 3D como dramaturgia está prejudicado pelo fato de que os filmes de 3D de hoje precisam ser lançados simultaneamente em 2D e em 3D, já que poucos são os cinemas do mundo preparados para a nova tecnologia (sem falar nas outras janelas, como o vídeo e a TV), e então o diretor precisa fazer o filme pensando ao mesmo tempo em 3D e em 2D, o que é uma sandice.

Mas o que quero de fato dizer é que Alice é um dos mais pessoais trabalhos de Tim Burton. De um lado, o fiolme dá continuidade à evolução de Burton como artesão: é exemplar a articulação da parte visual do filme, como é notável!!! É notável como Burton consegue visualizar um mundo abstrato e onírico como aquele passado em Alice. Sua precisão técnica é indiscutível.

Mas Alice me interessa para além disso. Todo o filme se articula de forma muito coerente como uma reflexão entre o acaso e o destino, sobre a questão do livre-arbítrio. Até que ponto podemos tomar decisões na nossa vida? Até que ponto os acasos que inevitavelmente acontecem são simplesmente acasos, ou fazem parte do destino? Esse belo tema é desenvolvido por Burton de formas impensáveis, se pensarmos no prólogo e o epílogo do filme, de tom realista, mas um realismo estranho, um pouco caricato. Todo o filme se baseia na dúvida dessa menina se deve se casar e seguir “o que se espera dela”, ou se deve enfrentar o seu destino e tomar sua própria decisão. É claro que ela escolhe ter a sua própria vida, mas acontece que claramente Burton quer falar de algo maior: a menina representa a ascensão da burguesia sobre uma aristocracia decadente. E isso – como já mostrou Visconti em O Leopardo – já estava escrito, isto é, era uma questão de tempo.

Isso torna Alice um filme híbrido, de proporções maiores do que inicialmente possamos pensar. Alice é uma espécie de híbrido entre O Mágico de Oz e Titanic. De um lado, a ambição de fazer um filme infantil (falsamente infantil) que traga um legado sobre as perspectivas de um certo público. De outro, herdeiro do cinema visionário de James Cameron, que alia tecnologia a questões pessoais, que seguem as convenções da narrativa clássica para tentar dar conta de um mundo, que às vezes parece submerso pelos limites do fantástico, mas que está lá. Com Alice, Burton decisivamente se insere na linhagem de um cinema clássico.

3 Comments:

Anonymous Marcos said...

Foi a primeira crítica que eu li de "Alice" a propor alguma reflexão de fato, em vez de simplesmente jogar pedras no Tim Burton por "não ser fiel ao livro".

Interessante a visão de Alice como uma burguesa que supera a aristocracia. Isso permite até supor outras analogias deste conflito entre o velho e o novo. Por exemplo, a passagem do 3D sobre o 2D. Ou, mais claramente, a Alice adulta de Burton sobre a Alice criança como adaptada por Disney em 1951 e que os saudosistas esperavam rever em 2010.

O novo sempre vem. Até Lewis Carroll já sabia disso: é só ler os versos finais de "No país do espelho".

8:13 PM, maio 29, 2010  
Anonymous Anônimo said...

Ou seja, Alice é o Hook do Tim Burton.

9:25 AM, maio 31, 2010  
Anonymous Anônimo said...

Concordo com o Marcos que esta crítica constitui uma reflexão de fato, que levanta um problema sério do cinema futuro: o uso do 3D vai virar apenas "truque" a que cedo ou tarde cansaremos ou vai ser de fato uma ferramenta estética? Eu acho que cedo ou tarde surgirão filmes em que o 3D será usado com arte, e não como brinquedo infantil, como é o caso de Alice.
Uma dica pro Marcos. Encontrei outros 2 grandes textos sobre o filme:
http://blogdowandersonlima.blogspot.com/2010/05/alice-no-pais-das-maravilhas-eua-2010.html
e

http://sombras-eletricas.blogspot.com/2010/05/alice-no-pais-das-maravilhas.html

4:43 PM, junho 07, 2010  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home