.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

quarta-feira, setembro 07, 2011

Le Bleu des Origines, um média de Philippe Garrel do final dos anos setenta, em preto e branco, sem som, é um filme perturbador e fascinante. É um filme sobre a fantasmagoria da memória. Uma memória fantasmática, mas presente, realista. É também sobre o espanto de Garrel ao filmar rostos e filmar mulheres, quase como um prolongamento outro do estranhíssimo Les Hautes Solitudes. Há uma certa inocência nesse cinema, um certo diálogo com o cinema dos Irmãos Lumière, uma fascinação com a luz, e com o sentido primeiro de produzir imagens, uma fascinação diante dessas imagens cruas que surgem diante da lente. Um álbum de fotografias antigo, uma câmera antiga que se registra filmando nos ajuda a confirmar essa ideia. De qualquer modo, o que fica ao final do filme é uma sensação de mistério, como se uma fantasmagoria fosse filmada pelas lentes realistas dos Irmãos Lumière.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home