.comment-link {margin-left:.6em;}

Cinecasulofilia

0 - fuja! * - razoável ** - bom *** - muito bom, recomendado **** - obra-prima!

sábado, outubro 13, 2012

Het mes

A faca
de Fons Rademakers
***

Acabei de ver esse filme A faca, que descobri graças à melhor sala de cinema do Brasil atualmente, que é o site makingoff. Não conhecia o diretor, o holandês Fons Rademakers. Parece que ele ficou famoso porque ganhou um Oscar (??!!). Vejo também que Rademakers trabalhou como assistente com de Sica e com Renoir.

Pensando nisso, de fato, me parecem claras algumas influências de de Sica e de Renoir nesse filme. Especialmente num humanismo e no modo como Rademakers encena se utilizando do espaço, de forma sempre econômica mas brilhante.

Mas o que mais me impressiona no filme vendo-o hoje, mais de meio século após ter sido feito, é a sua atualidade. Me parece um conto de fadas sombrio, um falso filme infantil. A faca basicamente é sobre um garoto que tenta sobreviver, à medida que vai se tornando adolescente, à medida que vai tomando consciência do mundo à sua volta.

O mundo que esse menino percebe digamos que não é muito agradável. Ele se percebe só. A solidão é o tema do filme. E o destino. Apesar de ter diversas sequências em externas, é um filme razovalemente escuro. Uma brilhante fotografia. Não imagino esse filme tendo sido feito em cores.

É uma crônica da infância muito próxima do melhor tom dos filmes modernos. Esse menino não se sabe bem o que quer, não se sabe quem ele é. Acompanhamos seus passos. Não há vitimização nem idealismo da infância. Ao mesmo tempo, não possui muitas firulas de efeito. Tampouco o menino é pobre, como os personagens de de Sica. Rademakers está interessado num outro tipo de olhar social. O cinema de de Sica interessa a Rademakers por outros aspectos para além da “introdução dos almanaques” sobre o que é neorrealismo italiano. De Renoir parece que o diretor apreendeu que para fazer filmes é preciso estar próximo ao mundo. Existe um realismo que é sempre crítico. E é crítico porque é sobretudo humano. Os personagens estão vivos porque falam pouco, observam mais, e especialmente porque se locomovem num espaço que não é mero pano de fundo, mas que é dramaturgia. Tanto nos interiores (inteligentemente decupados) quanto especialmente nas externas, onde o coração do filme pulsa. É nesse conflito entre a casa e o mundo que o menino vive.

Em volta de todos os costumes conservadores do que lhe cerca (a igreja, a família, os militares e escoteiros, o clube de amigos), o menino se sente só. Não quer pertencer a grupo algum. Tem vergonha de sua mãe que se deixa vencer. Ao mesmo tempo, acaba furtando uma faca que lhe dá uma espécie de autoconfiança. Essa faca se torna a sua melhor amiga. Essa faca representa o seu desejo de ser forte, num mundo repleto de fracos

Dispensável mas ao mesmo tempo obrigatória, essa faca está ali para fazer cinema. É bonito que Rademakers tenha dado o nome de seu filme humanista a esse objeto tão mórbido, tão antigo e tão libertário.


0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home